Total de visualizações de página

quinta-feira, 20 de julho de 2017

POR: DEBASTIÃO DIÓGENES - POEMA


Dr. Sebastião Diógenes - Tesoureiro da Sobrames-CE

O TOURO DA MADRUGADA



                Soberano no poleiro, o galo canta pela vez terceira.

No vizinho curral, o touro apaixonado muge com afeto.

A vaca malhada ao lado, sonolenta e preguiçosa, responde com a bovídea voz das fêmeas desinteressadas.

                - Vai dormir, touro! ... Não vês que não são horas do nosso costume?!

                Subsiste o silêncio magoado.

Ruminação, apenas, de quem deseja agradar o membro da geração.



Sebastião Diógenes.

                10-03-2017.

quarta-feira, 19 de julho de 2017

POR: VICENTE ALENCAR - POEMAS

 
JORNALISTA VICENTE ALENCAR - MEMBRO DA SOBRAMES-CE

            
Vicente Alencar
Sócio Honorário da SOBRAMES -CE

SONO
Durma meu amor
envolvida nas páginas do coração,
entre poesias,
nestes pápeis que te pertencem.
entre meus beijos 
e abraços,
forças que surgem
e saem do coração.
Não é pecado amar assim,
como te amo.
Com toda intensidade,
emoção,
desespero,
francamente apaixonado.

DO AMANHÃ

Contigo senti que o luar
é uma mensagem de carinho,
que a brisa do mar
constrói momentos de enlevo,
e o sorriso que nasce
é sobretudo marcante.
Mas,
não estamos juntos.
Fugimos,
nos desnorteamos. 
Tudo se tornou diferente.
tudo o que se foi,
o que existiu,
tornou-se Saudade!
Porém,
como o grande amor não morre,
vivo a esperança do amanhã.

POR: JOSÉ WILSON DE SOUZA - POEMA

Dr. José Wilson de Souza - Membro da Sobrames-CE

UMA CANÇÃO PELA PAZ
Autor: José Wilson de Souza

(Para o Prof. Dr. Marcelo Gurgel)

Quero  rosas nos caminhos, ruas, estradas e sertões
nos  tranquilos campos sob frondosas árvores
pássaros  cantando   maviosas canções...
Não quero rosas pelo chão sanguinolento,
nem a pesada chuva desabando em  cabeças
ou  gerações futuras sob vendaval  violento
Não quero rosas matando trabalhadores em seus campos,
destruindo  suas casas em frações de segundos,
enternecendo  as crianças , como fogos de S. João,
e que estupidamente  ardem nas inocentes mãos    
Não quero ver estas bombas disfarçadas  
levadas por  quase meninos, brincando de avião.
Quero ver todos os povos de mãos dadas,
fraternos.   Americanos , iraquianos ou afegãos.

POR: FRANCISCO PESSOA - POEMA

 
Dr. Francisco Pessoa - Membro da Sobrames-CE
Para Mirian Stela no seu aniversário
Hoje, ao sol não dei bom dia,
Fechei os olhos às flores,
Pois quem aniversaria
É o maior dos meus amores.
Ela é o sol que me acalora
A flor que mais me perfuma,
Segundo, minuto, hora,
Da vida que se me esfuma.
Que este beijo feito verso
Em meu coração imerso
Nos teus lábios seja doce,
Eis o meu pretenso intento:
Afagar-te um só momento
Como se eterno ele fosse.
Pessoa

segunda-feira, 17 de julho de 2017

POR: VICENTE ALENCAR - POEMAS

Jornalista Vicente Alencar - Membro da Sobrames-CE
                                              POEMAS DE VICENTE ALENCAR
AO LONGE
Um sino é ouvido 
ao longe.
Uma prece é lembrada 
dentro do tempo.
Mãos se elevam juntas
em oração.
Há um pedido,
há uma verdade.
São corações
que se unem,
se encontram.
Um sino é ouvido
ao longe,
e uma
mensagem de saudade
torna-se ainda
mais presente.

LIBERDADE
A liberdade de criar
pertence ao coração.

Ele chama, conversa,
dita o que quer
e o que deseja.

Todo o seu corpo 
atende ao chamado.

Ali, naquele momento
és apenas um ser
que ama.

Nada impedirá
seus pensamentos,
sua paixão,
o seu conforto de querer.

A liberdade de criar
faz seu coração dizer
tudo o que quer.

E você se encanta
e até se espanta
com tanto amor.

(Do Livro: Poesias entrando pela noite)

domingo, 16 de julho de 2017

POR: ANA MARGARIDA ROSEMBERG - APRECIAÇÃO CRÍTICA DE UMA OBRA DE ARTE RENASCENTISTA: Alegoria da Primavera – Botticelli

 
Alegoria da Primavera - Allesandro Botticelli


      Circulando pela Galeria “Degli Uffizi” em Florença, fica-se extasiado ao contemplar a tela de Botticelli, “Alegoria da Primavera”, pintada, em 1478, por encomenda de Lourenço, o Magnífico, para decorar a Villa di Castello, residência de verão dos Médicis. Ao lado dessa maravilha da arte renascentista, outra tela avassalante, “Nascimento de Vênus”, nos chama a atenção.  
      Contemplando a primeira tela, identificamos a “Primavera” cercada de alegorias tiradas da antiguidade: As Três Graças, Deus Mercúrio e jovens simbolizando ninfas gregas, evocando um mundo clássico. Não há nessa tela preocupação de reproduzir fielmente a anatomia das personagens. A perspectiva desempenha papel secundário e a paisagem quase não existe. O semblante da Primavera evoca misticismo. É uma jovem alta, esguia, loira, de face macilenta, olhar distante e triste, como a descreveu Rosemberg.  As figuras são leves, suaves, quase imateriais com seus rostos sem sorrisos e  suas expressões contemplativas. Assim, são, também, todas as madonas pintadas pelo artista.
É importante notar que esse gênio da pintura, Alessandro Mariano di Vanni Felipepi (Alessandro Botticelli), procurou se enquadrar no contexto da época em que viveu. Para a Igreja, cuja influência era prevalente no século XV, a pintura representava instrumento de propagação da fé. Essa concepção parece estar refletida na tela que estamos comentando.
      A propósito, tentaremos uma digressão, lembrando que Bouchardt, grande crítico de arte, valoriza a descrição da obra levando em consideração o volume, proporção, movimento e o jogo de luz e sombra.  Pouco disso, na tela que analisamos. Ela se aproxima muito mais dos conceitos de Merleau Ponty, outro grande crítico, de que menos interessa o tempo e suas imagens do que a subjetividade e o sentimento do pintor.
    Nesse particular, há um interessante aspecto a ser considerado, que foi abordado por José Rosemberg no seu estudo  “A tuberculose, seu romantismo e aculturação”.
A modelo que Botticelli usou, chamava-se Simoneta Vespucci e, segundo suas biografias, ela se tratava com os especialistas da tísica “Fisici del Ético”.
Simoneta morreu tuberculosa aos 23 anos de idade. Ninguém melhor do que ela para expressar, na tela de Botticelli, a dor, a resignação e, paradoxamente, a fé em uma primavera longínqua que ela contempla com seu olhar distante.


Observação: As três Graças do quadro “Alegoria da Primavera” foram, ulteriormente, configuradas quase da mesma forma nas telas de Raphael e Rubens. 

Ana Margarida Furtado Arruda Rosemberg

sexta-feira, 14 de julho de 2017

POR: MARCELO GURGEL - Centro Cultural Médico do Ceará

 Clique no link, abaixo.

http://blogdomarcelogurgel.blogspot.com.br/2017/07/centro-cultural-medico-do-ceara.html

Dr. Marcelo Gurgel - Presidente da Sobrames-CE
  Fonte: O Povo, de 13/07/2017. Opinião, p.11.

Em novembro de 2016, após três anos e meio de edificação, o Conselho Regional de Medicina do Estado do Ceará (Cremec) fez a inauguração de seu novo prédio; aliás, uma bonita e pujante obra, de arquitetura moderna, e uma inconteste maravilha urbana de Fortaleza, para a qual transladou seus serviços.

Encerrada a transferência, a sede anterior ficou desativada, cabendo ao Cremec arcar com as despesas de manutenção e de vigilância desse bem. Entretanto, para evitar tais estipêndios, os conselheiros apontaram, como solução, a venda do imóvel em tela, rechaçando a proposição original do professor Dalgimar Beserra de Menezes, que postulava o aproveitamento da estrutura física como um centro cultural médico.

Considerando a carência de equipamentos culturais no Ceará, a proposta em questão é muito oportuna e bem-vinda, aportando benefícios diretos à classe médica e com generosas externalidades à comunidade local, pelo que pode representar à cultura cearense.

Esse equipamento poderia ensejar o acolhimento das variadas formas de manifestação cultural da Medicina no Ceará, podendo inserir, dentre outros empregos: museu médico; biblioteca especializada; espaço para exposição temporária de artes, concertos musicais e lançamentos literários; salas para cursos e conferências.

Tendo em conta que o prédio antigo foi adquirido, à época, pelo Cremec, com numerários advindos, sobretudo, das anuidades pagas pelos médicos aqui registrados, nada mais justo do que conservar esse patrimônio material, pondo-o à disposição da laboriosa categoria médica atuante no Ceará, em estreita colaboração com outras entidades médicas sediadas na Terra da Luz.

A edificação, ora desocupada, poderia ter a sua utilização compartilhada, mediante comodato, com outras instituições, como a Academia Cearense de Medicina, a Sociedade Brasileira de Médicos Escritores – Regional Ceará e a Academia Cearense de Médicos Escritores, que nela ficariam albergadas permanentemente, além da alocação de espaços para eventos culturais das demais entidades médicas cearenses.

Isso, com segurança, ofertaria uma otimização de recursos de manutenção do imóvel e ainda renderia dividendos intangíveis à Medicina e à Cultura cearenses.

Face ao que foi dito, é de bom alvitre que o Cremec proceda a revisão da indicação de venda da sua sede anterior e a avaliação da proposta da transformação do edifício em um centro cultural médico.


Marcelo Gurgel Carlos da Silva

Médico; membro do Instituto do Ceará - Histórico, Geográfico e Antropológico

NOTA DE PESAR PELO DR. PAULO CARNEIRO



Dr. Paulo Carneiro


PESAR DA SOBRAMES-CE PELO FALECIMENTO DO DR. PAULO CARNEIRO


Faleceu o Prof. Dr. PAULO CESAR ALVES CARNEIRO, médico, filósofo e professor, desfecho acontecido em 18/06/2017, no Rio de Janeiro-RJ, cidade que o acolheu como residente, desde 1978, e onde exerceu o seu mister profissional.

Paulo Carneiro, quando acadêmico, participou da representação estudantil nos órgãos colegiados do Centro de Ciências da Saúde, da Universidade Federal do Ceará (UFC), e exerceu a monitoria de Anatomia e de Medicina Social, ao tempo em que cursou Medicina.

Paulo Cesar Alves Carneiro, nascido em Tabuleiro do Norte, no Ceará, em 1955, era médico graduado na UFC, mas fez carreira acadêmica e profissional no Rio de Janeiro, onde constituiu sua família, sendo pai da advogada Érica Carneiro.

Paulo fez sua pós-graduação no Rio, tendo realizado residência médica, especialização, mestrado e doutorado, tornando-se um exemplo singular de ser detentor de três diplomas de livre-docência.

Sua atuação na docência superior foi exercida na Universidade Federal do Rio de Janeiro, e na vida profissional, como médico do serviço público federal, foi lotado no Hospital de Bonsucesso, do Rio de Janeiro.

Paulo Carneiro era membro titular do Colégio Brasileiro de Cirurgiões – TCBC e da Sociedade Brasileira de Mastologia, entidades médicas de grande reconhecimento em suas respectivas especialidades.

Pertencia às seguintes academias na qualidade de membro titular: Academia de Medicina do Estado do Rio de Janeiro – ACAMERJ (antiga Academia Fluminense de Medicina); Academia Brasileira de Médicos Escritores – ABRAMES; Academia Brasileira de Medicina Militar – ABMM e Academia Cearense de Ciências Letras e Artes do Rio de Janeiro – ACCLARJ.

Detentor de farta produção científica, também publicou três livros, sendo um como cultor da retórica e dois como memorialista e biógrafo.

Notas de pesar, por sua prematura morte, foram divulgadas pelo Colégio Brasileiro de Cirurgiões e pela ACAMERJ.

A Sobrames/CE, por deliberação aprovada de forma unânime em sua reunião de 10/07/2017, associa-se às demais entidades nessa manifestação de luto por essa perda.

Marcelo Gurgel Carlos da Silva

Presidente da Sobrames/CE

terça-feira, 11 de julho de 2017

POR: SEBASTIÃO DIÓGENES - O prêmio que valeu dois


Dr. Sebastião Diógenes - Tesoureiro da Sobrames-CE
O prêmio que valeu dois



                Esta história é antiga, é do tempo do Caravele, o avião. Então, comecemos!

            Quando Dionísio chegou do trabalho o jantar já estava servido. Com um largo sorriso, típicos dos afortunados, Dió, como os colegas chamavam-no, dirigiu-se à mulher, que se encontrava em estado belicoso.

            - Tenho uma novidade pra lhe contar, que você não vai acreditar! – disse Dionísio com o entusiasmo daqueles que se acham.

            - Então, não conte! – respondeu a mulher com indisfarçável grosseria. – Trate logo de jantar senão a comida esfria.

            Dionísio dirigiu-se à mesa e fez a refeição, calado, moendo os alimentos e remoendo as palavras da esposa. Pensou na vida, nas pedras do caminho, os desgostos do cotidiano doméstico.

            O protagonista desta história antiga era caixeiro viajante, e a cada mês passava alguns dias trabalhando em cidades vizinhas. Algumas semanas depois da fatídica noite que o feliz Dió queria contar a “novidade que a esposa não iria acreditar”, realizou mais uma viagem. Aliás, não foi mais uma viagem. Foi uma viagem diferente, porque mais demorada que as habituais.

            A mulher, preocupada com a demora do retorno do marido, dirigiu-se à firma para pedir explicações sobre o seu paradeiro. Julgava que ele era vítima de exploração pela empresa, e iria reclamar os direitos dele.

            - A senhora por aqui! Já retornaram da viagem? Quede o Dió? – perguntou surpreso, o chefe da seção.

            - Quede o Dió? Eu é que pergunto, onde está o meu marido? – indagou a mulher, com indícios de rancor na fala.

            - Então, ele não lhe falou sobre o prêmio que havia ganhado da firma? –retrucou o chefe da seção.

            - Que prêmio? Não sei do que está falando! – respondeu a esposa de Dió.

            - Pois dona Ingrácia, o Dió é muito sortudo! Ganhou uma viagem para o Rio de Janeiro com tudo pago, hospedagem no Copacabana, e mais seis mil cruzeiros pra gastar, com direito a uma acompanhante – explicou o chefe da seção, intrigado com o alheamento da mulher.

            Por fim, dona Ingrácia lembrou-se da “novidade que o marido queria lhe contar”. Formou-se um silêncio constrangedor. Ela de vista baixa, despediu-se, sem maiores assombros. No entanto, no caminho de volta para casa, ocorreu-lhe o pior na imaginação. Esclarecia-se o sumiço da desquitada, a recém-chegada filha da vizinha.

Sebastião Diógenes.

01-01-2017.

             

REUNIÃO DA SOBRAMES-CE - 10/07/2017



PAUTA DA REUNIÃO ORDINÁRIA – 10/7/2017

1 - Abertura da sessão 
2 - Faltas justificadas:
 Josemar Argollo
 Francisco Gondim
3 - Aniversariantes do mês:
3 - José Wilson Accioly
3 - Jesus Irajacy
7 - Ana Margarida
7 - Fco Tomaz Ramos
12 - José Mauro Mendes Gifoni
20 - William Moffitt
21 - José Pessoa

4 - Assuntos/comunicações:
        Voto de pesar Paulo Carneiro
     Centro Cultural da Medicina Cearense
     Antologia
     Lançamento Antologia Unimed 
5 - Palavra facultada
     Edmar Fernandes - divulgação de livro
     José Maria Chaves - divulgação de livro 
    Ana Margarida - grupo ZAP
  6 - Leitura de textos dos sobramistas:
        Marcelo Gurgel
        José Maria Chaves
        Ana Margarida 
        Sebastião Diógenes 
7 - Encerramento