Total de visualizações de página

sexta-feira, 28 de fevereiro de 2014

POR: ANA MARGARIDA ROSEMBERG - PASSAGENS POR PARIS, NO MASP.

 
Dra. Ana Margarida Rosemberg - Médica e Secretária da Sobrames-CE


Rosa e Azul ou As Meninas Cahen d'Anvers
Renoir - 1881 - 119x74cm - MASP-SP-Brasil


Damas em Giverny (óleo sobre tela - 47x59cm - 2005)
Quadro pintado por Washington Maguetas, imaginando como estariam estas duas irmãs de rosa e azul
após alguns anos, visitando os jardins da casa de Monet na cidade de Giverny, na França.

http://clientes.insite.com.br/maguetas/impressionismo/rosa-e-azul/
Magali e Mônica de Rosa e Azul
Versão pintada por Maurício de Souza em 1989, após ver pessoas tentando
copiar o quadro original durante uma exposição no MASP.
Após esta idéia, Maurício de Souza fez uma exposição e um livro chamado
"História em Quadrões", com paródia da obra de diversos artistas utilizando
seus personagens.

http://clientes.insite.com.br/maguetas/impressionismo/rosa-e-azul/

              PASSAGENS POR PARIS, NO MASP

Estive no Museu de Arte de São Paulo Assis Chateaubrieant (MASP), na terça-feira, 25/02/2014, e visitei a Mostra PASSAGENS POR PARIS. 
O título  inspira-se em uma citação de Walter Benjamin em seu ensaio “Paris, capital do século XIX”.  A exposição interage com “A arte do detalhe (e depois, nada)”, em cartaz desde o inicio de novembro. 
Passagens por Paris propõe um passeio pela arte moderna, com obras feitas entre 1866 e 1948 por artistas icônicos do período: Manet, Degas, Monet, Cézanne, Gauguin, Van Gogh, Matisse, Renoir, Toulouse-Lautrec, Picasso, Modigliani, Portinari, Rego Monteiro e outros. 
Várias obras de arte me causaram profunda impressão, mas, para homenagear Assis Chateaubriand e Pietro Maria Bardi idealizadores do MASP,  vou me deter na obra “Rosa e Azul” de Renoir. Esta obra foi adquirida pelo MASP, em 7 de julho de 1952, no dia do meu segundo aniversário de nascimento, com recursos doados por Assis Chateaubriand. 
Rosa e Azul, também intitulada “As Meninas Cahen d’Anvers”, é uma célebre pintura a óleo sobre tela, 119 cm x 74 cm, do artista impressionista francês Pierre-Auguste Renoir. 
A pintura, que foi produzida em 1881, em Paris, retrata as irmãs Alice e Elisabeth, filhas do banqueiro judeu Louis Raphael Cahen d’Anvers e é considerada um dos mais populares ícones da coleção do MASP. 
Elisabeth é a menina loira, de seis anos, nascida em dezembro de 1874, e Alice, de cinco anos, nascida em fevereiro de 1876.  Alice viveu até os 89 anos e morreu em Nice, em 1965. Elisabeth teve um destino trágico. Divorciada do primeiro marido, o diplomata e conde Jean de Forceville, casou-se com Alfred Émile Denfert Rochereau, de quem também se divorciou. Durante a Segunda Guerra Mundial (1939-1945), ela foi enviada para Auschwitz, devido à sua origem judaica, e morreu a caminho do campo de concentração, em março de 1944, aos 69 anos.
O retrato das meninas Cahen d’Anvers angariou a simpatia dos visitantes do MASP, tornando-se uma das mais populares e apreciadas obras do museu e uma fonte de inspiração para outros pintores. Artistas contemporâneos como Washington Maguetas e Cirton Genaro, entre outros, produziram trabalhos baseados na obra. Em 1989, o quadrinista Maurício de Sousa também fez uma reinterpretação de "As Meninas Cahen d’Anvers", intitulada Magali e Mônica de Rosa e Azul, onde as populares personagens dos quadrinhos infantis aparecem ocupando o lugar de Alice e Elisabeth na pintura. 

Fontes:   http://masp.art.br/2013/masp_visite
 http://pt.wikipedia.org/wiki/Rosa_e_Azul_%28Renoir%29



sábado, 22 de fevereiro de 2014

POR: WILLIAM MOFFITT HARRIS - DO QUE TÊM MEDO OS ANÔNIMOS?


                             
 

DO QUE TÊM MEDO OS ANÔNIMOS?

William Moffitt Harris, Membro Titular, Sobrames-CE

Médico Pediatra Sanitarista (aposentado) – Campinas-SP

e-mail: mmclbilly@gmail.com

 

É bastante comum observar-se em alguns artigos publicados em jornais, revistas e blogs a falta dos nomes de seus autores.  A Lei da Imprensa é clara e pesa a responsabilidade de seu conteúdo nos ombros dos responsáveis das publicações, como o é no caso dos editoriais anônimos, por exemplo.

Aproximam-se as eleições para a nova Diretoria e Conselho Fiscal da Sobrames-CE e, em aditamento às diversas manifestações de minha autoria, em comentários a postagens do nosso Blog e no “quase prefácio” da “Antologia” da Sobrames-CE de 2013, além de várias correspondências com amigos da entidade, é meu desejo, neste momento, tecer alguns comentários tangentes ao assunto em epígrafe.

Não me foi revelada a composição da Comissão Eleitoral, responsável pela elaboração do Edital, mas certamente o será por pessoas idôneas interessadas em manter o alto nível produtivo e preclaro da nossa atual Presidente. Não permitirão qualquer deslize que viria a conspurcar o bom nome de nossa agremiação ou desfazer coisas já consolidadas ou mesmo deixar com que se apresentem candidatos incompetentes, mais interessados em se autopromover e capazes de se coroar com os louros daquilo que já foi feito.

Filas e horários sem tumulto, com fiscalização contínua, listas de presença e outras medidas, como se faz nas eleições brasileiras em todos os níveis, uma clara definição quanto à validade de votos de enfermos e viajantes ou residentes, de membros titulares, por carta ou procuração válida escrita ou verbal testemunhada, são praticamente imprescindíveis no caso de haver mais de uma chapa. Deverão somente votar membros titulares há mais de um ano e  em dia com suas anuidades. Não poderão votar familiares não membros titulares, menores de idade, amigos e visitantes.

Na minha concepção democrática a lista de votantes deverá ser tornada pública, incluindo qual chapa foi escolhida. SOU RADICALMENTE CONTRA O VOTO SECRETO EM QUALQUER INSTÂNCIA. Excluo deste contexto, evidentemente, o desapreço de eleitores por algum componente da chapa, a fim de evitar constrangimentos. Em caso de votação oral, como já vi em reuniões acadêmicas, mesmo não havendo aclamação, são altamente prestigiadas as “declarações de voto” que, muitas vezes, mudam a orientação dos eleitores que poderão, em segundo turno, alterar seu voto.

sexta-feira, 21 de fevereiro de 2014

ENTREGA DE DOCUMENTOS DA SOBRAMES-CE

Dra. Celina Côrte Pinheiro - Atual Presidente da Sobrames-CE

Dr. Emanuel Carvalho - Primeiro Presidente da Sobrames-CE

 

Prezado(a) sobramista,

                Comunicamos que na próxima segunda-feira, 24/02/2014, às 16h, nosso colega sobramista e primeiro Presidente da Sobrames-CE, Dr. Emanuel Carvalho, procederá à entrega oficial dos documentos relativos à fundação da Sobrames.
                Você está convidado a participar desse importante momento na história de nossa entidade. Teremos prazer em recebê-lo em nossa sede, na Rua Bárbara de Alencar, 1329-B - Aldeota. Por gentileza, confirme sua presença pelos telefones (85) 3244 3807 ou 8616 8781, com Srta. Luana.

Atenciosamente,
Celina Côrte Pinheiro
Presidente da Sobrames-CE

sábado, 15 de fevereiro de 2014

POR: SEBASTIÃO DIÓGENES - O DIVINO E O DIABÓLICO NA BEIRA-MAR

                                 


Dr. Sebastião Diógenes- Médico e Tesoureiro da Sobrames-CE

 
                           O divino e o diabólico na Beira-mar

            Osório foi atropelado por um esqueite no calçadão da Praia de Iracema. A aguda proa do perigoso veículo rasgou a pele do tornozelo e lhe fraturou o perôneo, melhor dizendo, a fíbula, conforme a nomenclatura moderna. Passou dois meses sem as caminhadas. Como dói o perôneo! Recuperou-se do trauma físico à custa de placas e parafusos de titânio. Quanto sofrimento por causa de um esqueite! Ora, ora, que besteira! Isso não é nada, em  cidade onde não há civilidade!
            Ontem foi um dia especial. Osório vence o trauma psicológico e retorna à Beira- -mar. No início da noite ele chega ao lugar onde há menos veículos circulando no calçadão, bem ali, perto do Náutico.
            No calçadão, como que o esperando para uma saudação especial, há um animado forró pé de serra puxado por um trio familiar. Eles são do Rio Grande do Norte, vivem perto de Parnamirim. Dona Neide, a mãe, no triângulo; o menino Francisco, no zabumba; e a mocinha de 19 anos, na sanfona e nas cordas vocais. Uma graça!
            Valbeane usa um chapeuzinho de couro no alto da cabeça, quase sem abas, um pouco maior que o solidéu dos eclesiásticos. Toca e canta com alegria e charme. Nos intervalos, faz propaganda do DVD, cinco reais um disco, que aproveitassem a promoção. Osório se empolga e compra a mercadoria. A menina capricha tanto mais: “Minha vida é andar por esse país...” e espicha a sanfona branca de 80 baixos contra o peito jovem. Osório incomoda-se com a falta de pudor da sanfona, porque não lhe é função fazer arte de mamógrafo. Não se conforma com a impetuosidade do acordeão, não é coisa que se faça com busto de cardinal beleza e rijo de tão puro. No seu entendimento, isso é ofício das boas mãos.
            Bem diz a sentença popular: “o que é bom, dura pouco.” O trio encerra o espetáculo porque o espaço vai ser ocupado por dois comediantes. Osório reinicia a caminhada em direção ao mercado dos peixes com a esperança de se dar bem. Mais tarde, estará na casa dele a ouvir as músicas de Valbeane, que, para isso, comprou o disco. E ela, em carne e osso, muito especialmente em carne, cansada, porém dengosa, a receber os afagos do namorado.
            - Cuidado, Paixão!...  Estão magoados, da sanfona!
Sebastião Diógenes.
15-02-2014.

            

sexta-feira, 14 de fevereiro de 2014

POR: CELINA CÔRTE PINHEIRO - FAIXA ETÁRIA

Dra. Celina Côrte Pinheiro -  Médica e Presidente da Sobrames-CE


FAIXA ETÁRIA

                                          Celina Côrte Pinheiro

            Ele aprendeu e adorava a expressão. Useiro e vezeiro, em qualquer oportunidade, utilizava-a orgulhosamente, na certeza do sucesso, fosse diante de quem fosse. No restaurante onde trabalhava, quando o cliente lhe perguntava se o pedido feito iria demorar, ele estufava orgulhosamente o peito, balançava a mão de um lado para o outro e respondia raciocinando: “Huumm... Pela hora do seu pedido, acredito que demore na faixa etária de meia hora...”. O sorriso de um ou outro cliente mais erudito aumentava-lhe a confiança para continuar se utilizando da expressão “faixa etária” na certeza de sucesso. Os menos aquinhoados no vernáculo se impressionavam com aquele palavreado elegante e comentavam entre si sobre a inteligência daquele moço, tão simples, trabalhando como garçom. Deveria tentar outra profissão na área do Direito ou da Medicina... Jesuíno ficava feliz com a ideia. Quem sabe!!!
            O futuro parecia lhe sorrir quando conheceu Marilena. O pai, dono de uma farmácia no vilarejo e, além disso, vernaculista e escritor, poderia ser a alavanca de que necessitava para sair daquele futuro sem emoções como intermediário entre o cliente e o cozinheiro. Se não fosse pelas gorjetas... Quem sabe a Medicina ou o Direito poderiam se tornar realidade em sua vida. Até mesmo a Faculdade de Farmácia, com a garantia de um futuro ainda mais concreto. A paixão foi mútua e ele, entusiasmado, convidou-a para um cinema e depois um sorvete. Prometeu que antes de nove e meia da noite, ela estaria de volta à sua casa. Jesuíno não queria dar ao futuro sogro (já o via assim) nenhum motivo de desagrado. A mocinha sorriu confiante e fez a pergunta fatídica:
            - A que horas você passará em minha casa? - ela falava tão bem quanto o pai e herdara seus dotes de escriba. Redação primorosa e elogiada no colégio.
            O moço, caprichando na voz e na fala para impressionar Marilene, respondeu: "Na faixa etária de umas seis..."
            Nem teve tempo para completar a frase. A moça se desenxabiu na hora. Desconversou e disse:
            - Não, não! Lembrei-me agora... Um compromisso inadiável. Fica para outra vez...
            Ele ainda quis dizer alguma coisa mais, contudo Marilena saiu apressada e já quase dobrava a esquina. O moço ficou cismando, cismando, preocupado. Talvez ela tivesse achado cedo demais ou a timidez da moça a tivesse feito recuar diante do convite... Quem sabe, na faixa etária de uma semana, seria o tempo ideal para voltar a convidá-la.



                                                                      *****

POR: WILLIAM MOFFITT HARRIS - MINHAS ESPIRRADEIRAS

Dr. William Moffitt Harris - Médico e Membro da Sobrames-CE
Minhas espirradeiras 1

William Moffitt Harris 2, Campinas

Desde pequenino, fui educado a admirar a Natureza e a cuidar dela. Herdei também dos meus pais um grande amor pelas plantas, flores e árvores em geral, e aprendi com eles a cuidar razoavelmente bem do jardim.
Há uns quinze anos, passeando pelo Parque José Affonso Junqueira, ao lado do Pálace Hotel em Poços de Caldas, deparei-me com três exemplares de espirradeiras (Nerium oleander), duas cor-de-rosa e uma branca. A branca, aliás, não era de um branco alvíssimo, mas de um leve tom de verde bem clarinho. Eram arbustos lindos!
Meu pai sempre me alertara para o fato de que esta planta era muito venenosa e que uma folha mastigada e deglutida poderia matar uma pessoa de setenta quilos. Anos mais tarde, confirmei este dado ao manusear livros de botânica e folhetos distribuídos pelo governo federal, alertando a população no tocante a plantas ornamentais venenosas. Cheguei a distribuir dezenas destes folhetos a amigos, parentes e sócios da Associação dos Funcionários Públicos do Estado de São PauloAFPESP, na Colônia de Férias de Poços de Caldas. Este arbusto realmente contém, principalmente em suas folhas e flores, um glicosídeo cardiotóxico perigosíssimo, comum a várias espécies da nossa flora nativa.
Chamou-me a atenção a presença de muitas crianças brincando pelo parque, algumas em bandos e outras acompanhadas pelas babás ou os pais. Algumas corriam pelo gramado que rodeia as inúmeras espécies vegetais, muitas inclusive identificadas com plaquinhas contendo seus nomes científicos e populares, além de informar sua procedência.
Percebi imediatamente o perigo e, como havia vários jardineiros podando a grama e os tufos de Chlorophyton, acabei abordando um velhinho de chapéu surrado que aparentemente supervisionava o grupo. Ele não tinha a menor idéia sobre o veneno. Identifiquei-me como médico e professor de saúde pública e sugeri que mandasse arrancar todos os galhos e todas as folhas do tronco abaixo de um metro e meio dos três arbustos. Daí a dois dias, voltei ao local e fiquei muito contente em averiguar que haviam seguido minha orientação de forma exata.
Como volta e meia ia a Poços para me submeter à crenoterapia nas águas termais sulfurosas devido a uma artrose que infernizava minha vida, nunca dispensei uma voltinha naquele parque maravilhoso. Por aproximadamente um ano e meio, percebi que seguiam ainda a orientação dada e, dentre outras árvores e arbustos, as três espirradeiras destacavam-se pelo seu porte majestoso e simetria na disposição dos galhos, folhas e flores.
Um dia, percebi que não mais sofriam a poda recomendada e procurei o velhinho de chapéu surrado. Não estava mais lá. Talvez tivesse se aposentado. Conversei com dois outros jardineiros que olharam para mim como se eu estivesse falando grego. Eram novatos no ofício e, pelo visto, eram mais varredores de gramados do que técnicos em jardinagem.
A uma das cartas que escrevi ao prefeito recém-empossado, Prof. Dr. Paulo Tadeu Silva D’Arcádia, médico veterinário, professor titular da Universidade Estadual de Minas Gerais, anexei alguns exemplares do folder e da prancha de um metro por sessenta centímetros que continha a mesma informação sobre plantas domésticas venenosas. Expliquei, em linhas gerais, o que estava acontecendo com relação às espirradeiras do Parque José Affonso Junqueira. Sugeri também que solicitasse, ao órgão federal responsável, exemplares daquele material para afixar e distribuir nas escolas do município.
Alguns meses depois, ao voltar ao local, fiquei com o coração compungido. Alguém da nova administração havia mandado “arrancar o mal pela raiz” e minhas lindas espirradeiras não estavam mais lá...



1 Apresentado ao ramal paulista da Sociedade Brasileira de Médicos Escritores - SOBRAMES durante a 178a Pizza Literária (19/05/05), na III Jornada Nacional da SOBRAMES – CE em Fortaleza (11/08/05) e nas seguintes reuniões do Movimento Médico Paulista do Cafezinho Literário – MMCL 5a (25/03/06 - 1a do Núcleo de Sorocaba), 16a (5/08/06 - 5a do Núcleo de Santos) e 31a (10/02/07 – 5a do Núcleo de S. Caetano do Sul)
2 Médico Pediatra Sanitarista, Professor Doutor aposentado da USP; Coordenador Estadual do MMCL.




POR: L. A. FERNANDES SOARES - OS OLHOS VERDES DAS MENINAS DE GRAMADO


Dr. L. A. Fernandes Soares




OS OLHOS VERDES DAS MENINAS DE GRAMADO

                                                                                               L.  A. Fernandes Soares

Para quem nasceu e se criou na fronteira, com as Repúblicas do Uruguai e da Argentina, onde vive uma raça de sulinos, numa mistura de índio, castelhano e portenho, acostumado a ver apenas os olhos castanhos escuros, genótipo típico e preponderante nas meninas daquele recanto do Rio Grande do Sul, não há nenhum estranhamento.
Ao atingir-se o planalto serrano, sudeste do Estado, pelo caldeamento de outras raças, oriundo do alemão e do italiano, observa-se características genéticas completamente diferentes. Sente-se a forte predominância do europeu. O mulato e o preto nunca passaram por essas terras. Talvez, agora, pouco em pouco, eles venham a aparecer, porém, de imediato, sem influenciar na degradação da raça padrão.
Aqui, sobre a serra gaúcha, é que passei a ver, deslumbrado, novas características estampadas nas faces, principalmente femininas. Então me deparei com os lindos olhos das meninas de Gramado. Para encurtar a descrição e poupar comentários, diria que essas meninas carregam duas pérolas verdes-turquesa no espaço onde deveriam estar as pupilas. São fenótipos tão estranhos e diferentes que as palavras não conseguem interpretar. Após ver alguns, passei a olhar no fundo de todos os olhos dessas meninas. Fiquei encantado com a formosura e com a beleza...
Quando esses olhos encontram os meus, tenho a impressão de que serei seduzido, anestesiado, paralisado, e ficarei petrificado no tempo. São estruturas anatômicas indescritíveis, muito bem arquitetadas.
Há poucos dias, ao sair de um restaurante em Gramado, dirigi-me a uma vitrine, atraído por um couro de boi rosilho, curtido, e ali estavam duas belas meninas de uns cinco anos no máximo. Ao vê-las, logo minha atenção foi despertada, ao deparar-me com dois pares de olhos verdes que pareciam os campos verdejantes refletidos num espelho de águas serenas e cristalinas. Não tive dúvida. Ao admirar uma delas, deixando a vitrine de lado, não pude me calar e disse com certo alarde e um pouco de espanto:
- Mas que olhos bonitos! Parecem duas pedras de safira estampadas em face tão linda! Você não quer me emprestar esse olhar?
Nem bem acabei de falar e a garotinha, para qual havia me dirigido, falou com muita naturalidade:
            - Ora, tio! Pára!!! – e, em seguida, dirigiu-se à colega dizendo:
- Vamos embora!! Estou preocupada com o assédio desse velho...
Bem que a menina bonita de olhos verdes tinha razão! Tio e velho ainda... Restou-me o direito de sorrir com naturalidade diante de tão pronta resposta. Nem por isso parei de admirar esses olhos verdes, cor de safira lapidada. Continuei a caminhar pela rua e olhava, encarava a todos que passavam, no desejo de verificar se era um fato de valor estatístico alto.
Ao entrar na padaria, estava uma loira no ofício de caixa. Corpo de miss, olhar provocante e atrás do balcão, dois clones, muito bem copiados. Além de tudo, gêmeas!!
Eram três pares de olhos verdes, brilhantes, que pareciam refletir a minha própria imagem. Ao chegar mais próximo, notei que eram naturais e quase transparentes. Havia imaginado que eram portadoras de lentes. O mais interessante é que as meninas-moças eram tão acostumadas que os fregueses, por momentos, olhassem seus olhos, como se estivessem olhando em espelho de cristal verde, que não baixavam e não desviavam o olhar. Correspondiam e ainda abriam um largo sorriso, e se não fosse o balcão, acredito que chegariam mais perto ainda.
Fiquei a contemplá-las, submisso àqueles olhos verdes, que uma delas teve que bater com a mão sobre o balcão e perguntou: - Ó tio, o que o senhor deseja?
Tive a impressão de voltar de um sono profundo, quando despertei. Com muito tranquilidade e obcecado com a cena, falei:
– Dez litros de leite e um pão... Aliás, apenas um pão e um leite - corrigi-me um tanto confuso.
Fiquei a recordar os caracteres genéticos. A fusão dos cromossomos. Para ser sincero, não eram apenas os olhos que eram bonitos. Toda a anatomia era perfeita, talvez tivessem no máximo 20 anos de existência. Eram meninas-moças capazes de ganhar todos os concursos da fronteira.
Ao sair, já depois de pagar as despesas e agradecer, quase na porta, tive a impressão de que ouvi uma voz sussurrante dizendo: - O tio ficou encantado com os nossos olhos!
Também, pudera! Não foi só com os olhos... Já na rua recordei os olhos verdes das meninas de Gramado e refleti, silenciosamente: “É verdade!! Agora entendo que nasci muito cedo ou essas meninas de olhos verdes de Gramado nasceram muito tarde...

                            Gramado, RS, 20/9/99


NOTA DE FALECIMENTO


   A Sociedade Brasileira de Médicos Escritores - Regional Ceará (Sobrames-CE) sente-se também enlutada pelo falecimento do estimado médico e professor Adônis Reis Lira de Carvalho, sobramista de Pernambuco e membro da Abrames.
               Nossos pêsames a toda família neste momento de dor e sinceros votos de conforto espiritual.
 
Celina Côrte Pinheiro
Presidente da Sobrames-CE





quinta-feira, 13 de fevereiro de 2014

ELEIÇÃO NA SOBRAMES-CE

Prezado (a) Sobramista,
 
No dia 10/03/2014, realizaremos a ELEIÇÃO DA DIRETORIA E CONSELHO FISCAL de nossa associação, para o período 2014-2016.
 
Informamos que as chapas concorrentes deverão ser registradas junto à Comissão Eleitoral até 07 (sete) dias antes do pleito, mediante requerimento assinado pelo responsável e dirigido ao Presidente da referida Comissão, contendo os nomes dos candidatos aos cargos da Diretoria e do Conselho Fiscal, com mais de 01(um) ano de filiação e em dia com as obrigações sociais.
 
Para maiores detalhes relativos ao Processo Eleitoral, sugerimos a consulta ao Estatuto da Sobrames-CE - 1º Aditivo - Artigos 25º a 30º.
 
Atenciosamente,
 
Celina Côrte Pinheiro
Presidente da Sobrames-CE

quarta-feira, 12 de fevereiro de 2014

REUNIÃO DA ACADEMIA CEARENSE DE MEDICINA - 12 DE FEVEREIRO DE 2014

Hoje, dia 12 de fevereiro de 2014, às 15h30min, no auditório da Pró-Reitoria de Extensão da UFC, em Fortaleza-CE, aconteceu a palestra do Dr. José Alves da Rocha Filho sobre "MITOLOGIA GREGA".

Parabéns ao Dr. José Alves, que é membro da Sobrames-CE, por sua apresentação na ACM, nos mostrando uma faceta de um tema tão fascinante.

 
Dr. José Alves da Rocha Filho










terça-feira, 11 de fevereiro de 2014

CONVITE - NOITE DE AUTÓGRAFOS


REUNIÃO ORDINÁRIA DA SOBRAMES-CE - 10 DE FEVEREIRO DE 2014

Ontem, dia 10 de fevereiro de 2014, às 19h30min, realizou-se, na Avenida Rui Barbosa, nº 1880, mais uma reunião ordinária da Sobrames-CE. A mesma, que foi presidida pela Dra. Celina Côrte (Presidente),  contou com a presença de vários associados.
 
 

sexta-feira, 7 de fevereiro de 2014

POR: FÁTIMA AZEVÊDO - PARA DEZINHA COM AMOR


Dra. Fátima Azevêdo - Médica e Membro da Sobrames-CE


                                                  PARA DEZINHA COM AMOR
            Tenho uma tia bem velhinha, velhinha mesmo. Dessas que não têm mais músculos, só a pele enrugada lhe cobrindo os ossos que um dia já foram encobertos por uma pele viçosa e rosada e por músculos de amazona. Pois é, eu tenho uma tia com cabelinho ralo e liso mas ainda brilhante, no lugar das madeixas fartas e encaracoladas de outrora. No lugar dos lindos dentes de antigamente, duas próteses móveis, rosadas e que parecem querer pular do copo d’água ao cair da tarde para me dizer boa noite.
            Eu tenho uma tia bem velhinha, velhinha como as meinhas brancas das crianças do grupo escolar que só têm um par para usar o ano inteiro. Tão velhinha que mal pode andar sozinha. Tão velhinha e transparente que torna quase possível a visualização de seus órgãos assim como de sua mente e coração. E o que eu vejo... A mais jovem de todas as mentes que conheço e o mais generoso dos corações.
            Ela é a prova mais palpável do amor incondicional. Ela é a paz feito gente, o perdão e a conciliação. É a mais sábia das criaturas. É a última de uma geração em extinção. É o meu xodó maior. E ela sabe disso.
            Essa minha tia é tia-avó e mãe-avó ao mesmo tempo. Mãe porque ajudou a me maternar e avó porque leve, sem as angústias ou exageradas preocupações das mães. Fez do meu mundo infantil uma fantasia revisitada sempre que se faz necessário. Produzia brinquedos artesanais como ninguém. Desde casinhas de caixas vazias de remédios a soldadinhos de chumbo prateados de tampas de leite em pó. Todos perfeitamente enfileirados a marchar pelos tacos do quarto na casa do Tirol. Arrumava minha casinha de bonecas e quando a asma me atacava e eu faltava às aulas, não sabia o que era tédio. Lá estava ela pronta pra me levar ao mundo da fantasia enquanto minha mãe ia providenciar alimento, medicamentos, consultas médicas e o que mais fosse necessário. Além dos brinquedos artesanais, eu ainda era abençoada pela mãe-lua nas noites de lua cheia, quando Dezinha me levava para a calçada e me ensinava esse “mantra”: “a benção mãe-lua me dá pão com farinha pra eu dar pra minha galinha que está presa na cozinha”. E eu, menina de ontem, repetia com a mãozinha levantada, olhando pra lua em total sintonia. Repetia esse “mantra” com a cadência dos poetas, do amor e da inocência.

            Até hoje guardo com carinho um par de tamancos comprados no mercado, daqueles tamancos bem baratinhos, que ela me deu quando eu tinha 1 ano. Tamanquinhos artesanais, adquiridos no Mercado São Sebastião no século passado. Não deixa de ser uma peça histórica em um mundo de plastificados. Estou pensando até em emoldurá-los pois para mim, são como um retrato doce de minha infância.
            A Dezinha, essa minha tia querida, não é caduca, muito pelo contrário, está por dentro de tudo o que acontece no mundo e ainda dá palpites. Essa minha tia nunca casou, nunca teve filhos, mas amou e amou muito. A tudo e a todos. Ainda hoje fala de seu grande amor. Muito moderna e independente para a sua época, não tinha perfil adequado para o casamento.
            Tenho uma tia bem velhinha, mais velhinha do que a mantilha de renda de minha bisavó. Sei que já cumpriu sua missão neste planeta e que mais dia menos dia será como uma poeira de luz feito estrela a iluminar o meu céu. Estará sempre no meu coração.

quarta-feira, 5 de fevereiro de 2014

POR: ANTERO COELHO NETO - O GESTO ADIADO

 
Dr. Antero Coelho Neto - Médico e Membro da Sobrames-CE


O GESTO ADIADO

Publicado no Jornal O POVO, hoje, 05/02/2014. 

Como sempre acontece, e aqui temos referido, no começo de um novo ano muito se fala, lê e escreve, sobre planos, sonhos e projetos futuros.

A época de renovações e anseios nos faz refletir no que se passou e no que há de vir. Pensamos, pesamos e comparamos as coisas boas que fizemos e outras tantas que deixamos de fazer, ou erramos ao tentar fazê-las.  Nem sempre é fácil.

Agora, na maturidade de tantos começos, sinto, mais forte, uma necessidade de avaliar o que deixei de fazer. E o por que deixei de fazer e, assim, adiar. Tenho certeza que muitos, jovens e idosos, sentem as mesmas coisas.

Não deliberadamente, mas sempre deixamos escapar tantas atitudes, tantas gentilezas, tantas provas de carinho, de afetos ou, simplesmente, de amizade, de gratidão.

E aí está a grande perda: o GESTO ADIADO. Ele passa, se esvai, parece fugir de nós e perder-se no tempo. Mas ele não sai de nossa lembrança e também de muitos a quem ficamos devendo. E destaco, mais uma vez, o valor de nossa Memória. Ao pensar nas causas desses efeitos tão importantes, lembramos as raízes primárias daquela educação repressora dos pais (sobretudo o pai) cuidadosos e vigilantes, traumatizando os filhos homens para que se tornem futuros “machos”.

Nós, pobres meninos, não deveríamos chorar, sorrir demais, vestir cores alegres, gostar de flores, de jardins. Éramos sérios, tímidos e até antipáticos. Meninos não podiam ser afetuosos, carinhosos, gentis. Éramos sisudos; os alegres e conversadores eram “incheridos”... Tínhamos de ser “machos”. E mais, tínhamos de ser forte, o provedor, o exemplo, o chefe. E isso não incluía as emoções, as lágrimas, a delicadeza, o afago, o carinho. 

Pois agora estamos em novo começar. Estamos adultos ou idosos. Vamos resgatar os gestos que adiamos? Sempre cabe um pedido de desculpas, um telefonema, uma gentileza, um tocar, um abraçar, um beijar, um afago, um obrigado!

Ainda é tempo. Vamos aprender e aplicar as lições que nos dão - de graça – as Mulheres. Aqui, já destaquei, muitas vezes, o tanto que aprendi com as mulheres. Maravilhosos seres que estão sempre à nossa volta, lindas, coloridas, álacres, risonhas e, tão encantadoramente conversadoras e prolixas. E por que são assim? Por que não carregam em seus lindos ombros – mesmo quando chefes de famílias - aquela  árdua e penosa missão de ser um MACHO.

E foi assim, com carinho e muito amor, que aprendi com minha mulher, alunas, amigas ou namoradas, esses ensinamentos que nos tirou da vida rotineira e melancólica que tinham reservado para muitos de nós homens. E o melhor Tempo passou a ter cada vez mais importância para a nossa vida futura e, conseqüentemente, para a nossa Memória.

Pensa nisso ao planejar tua vida para 2014. Minha mulher sempre disse que tenho de relembrar e confessar, publicamente, que Ela foi minha maior e melhor Professora. E ela sabe cobrar...

Antero Coelho Neto

Médico e Professor